Início » Partidos Políticos » PPS (Partido Popular Socialista) – História, Ideologia e Lista de candidatos

PPS (Partido Popular Socialista) – História, Ideologia e Lista de candidatos

O PPS, Partido Popular Socialista, foi criado em 1992 e, no início de 2019 em meio a tantas reformas, teve seu mudo alterado para Cidadania (CDN). Para compreender melhor sua ideologia e o contexto vivido, é necessário conhecer toda a história, desde sua fundação até hoje.

Ao final de década de 80, o socialismo estava perdendo espaço via o crescimento de países capitalistas. Pequenos grupos permaneceram com seus ideais socialistas, como defensor da social democracia e do socialismo democrático.

Conheça a história, ideologia e saiba sobre a mudança do PPS para Cidadania:

História do PPS

PPSA sigla PPS quer dizer Partido Popular Socialista. E, como o próprio nome sugere, acredita que o socialismo seja a melhor forma de manter a sociedade. Em seus discursos, considera-se um partido de terceira via, ou seja, acredita-se em unir a esquerda com a direita. Em seu manifesto, também diz ser um partido plural, que acredita em uma sociedade onde é possível todos viverem iguais e livre. Afirma que está aberto a todos que acreditam nisso de alguma forma.

O partido foi criado por Roberto Freire, o primeiro e único presidente do PPS. E, desde sua criação nota-se que é um partido versátil. Inicialmente, o PPS seguia a linha do comunismo, e era chamado de PCB (Partido Comunista Brasileiro). Posteriormente apoiou Ciro e Serra.

A mudança de nome para Cidadania é uma maneira de tentar amenizar a imagem desgastada do partido e também sua representação política no país.

PPS agora é Cidadania (CDN): Conheça toda a história

A origem do partido foi no PCB (Partido Comunista Brasileiro). Em 1992 tornou-se o PPS. Desde então, teve muita representação no quadro político brasileiro, visto que é um partido versátil, principalmente em se tratando de ideologias.

Em 1994 apoiou o candidato a Luiz Inácio Lula da Silva à presidência e elegeu Roberto Freire como senador. Dois anos depois, em 1996 declara-se abertamente como oposição ao governo de Fernando Henrique Cardoso. Contudo, sempre elogiou o Plano Real criado por FHC no governo de Itamar Franco.

Nas eleições de 1998 criou-se uma desavença entre José Serra e Ciro Gomes. Ciro sai do PSDB (Partido Social Democrático Brasileiro) e é lançado candidato a presidência com Roberto Freire vice pelo PPS. Em 2002 o partido lança Ciro novamente, com Paulinho da Força Sindical como vice. Entretanto, o objetivo era atrapalhar a campanha de Serra pelo PSDB.

Além disso, começou a criticar movimentos como “Fora FHC”, afinal, começou a ver o governo de outra maneira.

O PPS esteve ao lado do governo Lula até o ano de 2004, quando passou a discordar de algumas posturas. Isso cria o rompimento com o governo e a saída de Ciro Gomes do partido, indo para o PSB.

Em 2010, o PPS apoiou a candidatura do tucano José Serra (PSDB) a presidência, juntamente com o PFL (hoje o Democratas).

Em 2013, tentou se fundir ao PMN (Partido da Mobilização Nacional), criando o MD (Mobilização Democrática), mas seu pedido foi recusado pelo partido. No ano seguinte tentou se fundir ao PSB (Partido Socialista Brasileiro), PHS (Partido Humanista da Solidariedade) e o PEN (Partido Ecológico Nacional). Contudo, sem sucesso.

Em 2018 tentou mais uma vez se unir a outros partidos. Dessa vez com o PV (Partido Verde) e a Rede Sustentabilidade, também sem sucesso devido às discordâncias. Nas eleições, apoiou Geraldo Alckmin pelo PSDB.

Em 2019, o PPS muda o nome para Cidadania.

Lideranças

Quando fundado, o PPS, atual Cidadania, teve como presidente Roberto João Pereira Freire, ou apenas Roberto Freire. E, desde então ele foi o único presidente que o partido teve.

  • Presidente de honra: Antonio Ribeiro Granja;
  • Presidente: Roberto João Pereira Freire (SP);
  • 1º Vice-Presidente: Rubens Bueno (PR);
  • 2º Vice-Presidente: Wober Lopes Pinheiro Junior (RN);
  • Secretário-Geral: David Zaia (SP);
  • Tesoureiro: José Regis Barros Cavalcante (AL).

Atualmente o partido conta com 3 senadores e 8 deputados federais.

Nota-se em sua história que o PPS sempre apoiou o que lhe era conveniente no momento, independente da ideologia e de sua história. Com a mudança para Cidadania, espera-se que o partido também ganhe uma reformulação, firmando um ideologia e atraindo novos adeptos.

Rafaela Trevisan Cortes
Rafaela Trevisan Cortes, jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Revoltada por natureza, vê na comunicação uma oportunidade de extravasar a sua paixão por curiosidades, arte e conhecimento.

Comente