Início » Partidos Políticos » PCB (Partido Comunista Brasileiro) – História, Ideologia e Lista de Candidatos

PCB (Partido Comunista Brasileiro) – História, Ideologia e Lista de Candidatos

O PCB (Partido Comunista Brasileiro) é o partido mais antigo do Brasil, ainda que durante boa parte de sua existência tenha permanecido na ilegalidade devido à dinâmica política do país em cada época.

Embora hoje tenha pouca representatividade nas eleições e poucos candidatos sejam conhecidos, o PCB já teve como membros nomes relevantes na cultura nacional, como Graciliano Ramos, Caio Prado Jr e Mário Schenberg.

Conhece pouco ou nada sobre o partido e quer saber sua história, ideologia e conhecer seus candidatos? Então, confira esse guia completo que preparamos sobre o PCB!

História do PCB

Contexto histórico

PCB (Partido Comunista Brasileiro) - História, Ideologia e Lista de CandidatosConhecer o contexto histórico da época em que o PCB foi criado ajuda a entender o surgimento e fundação do partido no Brasil. No âmbito internacional, em 1917 acontecia a Revolução Russa, que gerou interesse pelas ideias socialistas e comunistas de Friedrich Engels e Karl Marx.

Nesse mesmo período, o Brasil passava pelo nascimento e fortalecimento do movimento operário, que era liderado inicialmente por anarquistas. Posteriormente, eles se identificaram com o comunismo e fundaram o Partido Comunista-Anarquista em 1919.

O movimento operário passou a reivindicar a melhoria de salário, redução da jornada de trabalho para oito horas, repouso semanal e regulamentação trabalhista para crianças e mulheres.

Fundação do PCB

Não demorou muito para que anarquistas e comunistas se distanciassem e rompessem relações, levando ao fim do Partido Comunista-Anarquista. Então, Astrojildo Pereira (escritor e jornalista) cria e lidera um grupo pequeno em 1921, batizando-o como Comitê de Socorro aos Flagelados Russos.

Desse mesmo Comitê surgiu o Grupo Comunista, que tinha várias células pelo país. Uma de suas finalidades era transformar-se no Partido Comunista do Brasil, o que aconteceu em março de 1922, após um congresso em Niterói/RJ.

Na sua fundação, o PCB tinha apenas 73 associados. No final de 1922, esse número chegou a 250, sendo a maioria do Rio de Janeiro. Curiosamente, em seu início o partido atuava basicamente na difusão de ideias comunistas, pela revista Movimento Comunista.

Crescimento e ilegalidade

Com apenas três meses de vida, o partido foi oficialmente fechado pelo então presidente do Brasil, Epitácio Pessoa. Mas, não foi o fim do PCB: foi a partir de então que ele começa a atuar na ilegalidade e diversos associados foram presos.

O partido só retornou à legalidade em 1927, no governo do presidente Washington Luís. No ano seguinte, o PCB formou uma frente eleitoral chamada Bloco Operário, lançou e elegeu um deputado federal (Azevedo Lima).

Poucos meses depois o partido foi suspenso novamente, mas para se reerguer adotou uma postura de aumentar suas alianças, incluindo em seu grupo nomes como o de Luís Carlos Prestes e integrantes da Coluna Prestes.

A partir de então, o partido passa por constantes períodos de legalidade e ilegalidade. Mesmo assim, possui participação importante em eventos históricos marcantes, como a derrubada da república oligárquica, integrando a ANL (Aliança Nacional Libertadora).

Na década de 1940, o PCB conquista maior espaço na política e se torna um partido de massa, com aproximadamente 200 mil filiados. Nesse período, também elegeu Luís Carlos Prestes como senador.

Legalidade definitiva

Na década de 1960, o partido coloca como meta tornar-se legal. Uma das medidas adotadas para isso foi mudar seu nome de “Partido Comunista do Brasil” para “Partido Comunista Brasileiro”.

A legalidade veio, mas com a ascensão do regime ditatorial militar ela acabou, um terço de comitê do partido foi assassinado e militantes foram torturados, sendo o mais conhecido deles o jornalista Vladimir Herzog, morto pelos militares.

Em 1987, o PCB finalmente conquista sua legalidade definitiva e se mantém ativo desde então, porém com pouca representatividade em cargos públicos.

Ideologia do PCB

O PCB é um partido que defende a revolução proletária para substituição do capitalismo pelo socialismo e comunismo. Pretende estabelecer uma sociedade igualitária, sem classe social e com base na propriedade comum.

Numa tentativa de alcançar essa sociedade, o partido também defende direitos iguais e políticas que elevam de minorias sociais e garantem benefícios aos trabalhadores.

Lista de candidatos PCB

Como atualmente não possui grande representatividade no cenário político atual, a lista de candidatos do PCB costuma ter nomes pouco conhecimentos. Confira quais são eles:

  • Marcelo Lira;
  • Bernardo Bispo;
  • Carol Bellaguarda;
  • Gerlane Simões;
  • Cleber Soares;
  • Iêgo Brunno;
  • Marta Barçante;
  • Tulio Lopes;
  • Magda Borges.

Comente