Início » Partidos Políticos » PROS (Partido Republicado da Ordem Social) – História, Ideologia e Lista de candidatos

PROS (Partido Republicado da Ordem Social) – História, Ideologia e Lista de candidatos

O Partido Republicano da Ordem Social (PROS) foi fundado em 2010, mas teve o seu registro definitivo liberado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2013. Ele surgiu em meio a um verdadeiro boom de novas siglas, marca do período mais recente da Nova República.

E para conhecer um pouco mais sobre ele, nesta publicação contaremos mais da história do PROS. Também falaremos sobre a suas posições políticas e movimentação no Congresso Nacional. Por fim, listaremos os candidatos eleitos aos principais cargos políticos do país.

História do PROS

O PROS surge em meio a um processo político de constantes atritos e reformulações dentro dos partidos, o que acaba friccionando o cenário eleitoral e levando ao surgimento de novas agremiações. De número 90 e cores azul e laranja, o PROS surgiu no Estado de Goiás oficialmente em 2013, às vésperas do prazo determinado pela Justiça Eleitoral para que um novo partido pudesse disputar as eleições de 2014.

O partido nasceu em um ambiente de forte disputa política e se colocou ao lado da coligação que reelegeu a presidenta Dilma Rousseff naquele ano. Quatro anos depois, o PROS também iria se coligar com um candidato petista para a as eleições presidenciais: Fernando Haddad, derrotado por Jair Bolsonaro (PSL).

O fundador e presidente do PROS é Eurípedes de Macedo Júnior, ex-vereador pela cidade de Planaltina (GO) e eleito segundo suplente de deputado federal em 2014. O surgimento da legenda está totalmente ligado ao seu criador. A principal reivindicação do PROS é a diminuição de impostos que “têm atrasado o desenvolvimento do Brasil e causado uma grande injustiça social, pois as pessoas com menos renda, proporcionalmente, são as que mais pagam impostos e consequentemente são as mais prejudicadas”, afirma texto publicado no site do partido.

O PROS contava em 2014 com 21 deputados federais, um senador e um governador, sendo que a origem deles era bastante diversa. Para se ter uma ideia, a sigla que mais cedeu mais parlamentares para o PROS foi o PSB (Partido Socialista Brasileiro). Segundo Lucas Macedo Almeida, em Que partidos são esses? Uma discussão sobre o surgimento de PSD, PROS e SD, essa movimentação pode ser percebida como uma resistência deles em rumar para a oposição. Isso porque, o pesquisador lembra que, na época, o PSB havia deixado a base governista com o objetivo de lançar uma candidatura própria à presidência da República.

Parte dos deputados à época tinham ligações com o Ceará, já que os irmãos Ciro e Cid Gomes haviam rumado do PSB para o PROS, evidenciando a movimentação política da família Gomes em se manter no governo, mas ao mesmo tempo independentes. Posteriormente, ambos saíram da sigla devido a divergências internas e ao claro protagonismo dos irmãos, algo comum por onde passam, o que gerou atritos com o diretório nacional. Tanto que ambos posteriormente foram para o PDT (Partido Democrático Trabalhista). Hoje em dia, a maior figura da legenda é o senador e ex-presidente da República Fernando Collor de Mello.

Ideologia do PROS

O PROS surgiu para ser uma legenda de sustentação ao governo Dilma Rousseff, tanto que, logo após a sua criação, o partido formou um bloco com o PR (Partido da República, que hoje se chama Partido Liberal) dentro da Câmara dos Deputados. Na sequência, acabou por compor a coligação Com a força do povo que reelegeu Dilma e proporcionou ao partido a conquista do Ministério da Educação no segundo mandato da petista.

Ainda assim, não dá para dizer que o partido seja do espectro de esquerda, sendo mais como uma legenda de centro que acaba servindo de apoio para as grandes siglas da política nacional. Até então, o PROS tem dado suporte ao PT, ao menos em âmbito eleitoral.

Porém, uma pesquisa feita pelo G1 aponta que os deputados do PROS, ao lado dos do Podemos e do PSB são os que menos seguiram orientação de suas lideranças ou mesmo dos blocos partidários em votações nominais dentro da Câmara dos Deputados. O levantamento foi realizado de 1º de fevereiro a 12 de julho de 2019 e revelou que o PROS é o que possui maior infidelidade partidária, com 23,3%dos votos a divergirem do que fora determinado pela liderança ou bloco partidário. O Podemos registrou 19,6% e o PSB 19,1%.

Isso pode revelar que, apesar das diretrizes partirem do topo voltadas para um apoio a determinado assunto ou espectro político, muitos parlamentares acabam mostrando independência e, com isso, levam a mudanças nas decisões políticas das agremiações, o que vai interferir na ideologia partidária, fazendo com que ela esmaeça e seja difícil identificar a orientação política de cada partido, algo muito comum no Brasil.

Lista de senadores e deputados federais do PROS

Atualmente a bancada do PROS no Congresso Nacional é composta por três senadores e 10 deputados federais. Veja abaixo, dividido por cargo:

Senado

  • Fernando Collor de Mello – Alagoas
  • Telmário Mota – Roraima
  • Zenaide Maia – Rio Grande do Norte

 

Câmara

  • Acácio Favacho – Amapá
  • Boca Aberta – Paraná
  • Capitão Wagner – Ceará
  • Clarissa Garotinho – Rio de Janeiro
  • Eros Biondini – Minas Gerais
  • Gastão Vieira – Maranhão
  • Toninho Wandscheer – Paraná
  • Uldurico Junior – Bahia
  • Vaidon Oliveira – Ceará
  • Weliton Prado – Minas Gerais

Gilmar Penter
Fotógrafo, ator e comunicador é apaixonado pelas artes e pela aventura que é a vida. Nas palavras, vê uma chance de mudar o mundo, mesmo que para isso tenha que vir até ele, afinal, passa muito mais tempo no mundo da lua.

Comente