Início » Partidos Políticos » Socialismo – O que é, características, principais autores e países socialistas

Socialismo – O que é, características, principais autores e países socialistas

É inegável que vivemos em um período de intensa polarização política no Brasil e no mundo, com constantes e fervorosas discussões políticas. Nesses confrontos, muitas vezes alguns termos são usados de maneira equivocada, sem que as pessoas que lancem mão deles saibam o que significam. Entre eles, está a referência ao modelo político e econômico do socialismo, o qual se opõem diretamente ao capitalismo.

Para contextualizar as suas discussões dentro do mundo político te explicamos aqui o que é socialismo. Entenda de uma vez por todas qual é o significado do termo, qual a sua história e o que pensam os principais autores deste sistema de governo.

Socialismo

O que é Socialismo?

O socialismo é um sistema político e econômico com princípios baseados na igualdade. O termo também se refere às diferentes correntes de pensamento que propuseram caminhos para se alcançar à sociedade comunista. Aliás, é importante deixar claro desde já que os termos socialismo e comunismo não são a mesma coisa. Se ficou com dúvidas confira aqui o que é o comunismo.

Enquanto sistema de organização política e econômica, o socialismo visa extinguir a desigualdade entre as classes através de medidas como:

  • Extinção da propriedade privada e das classes sociais;
  • Distribuição igualitária de renda;
  • Socialização dos meios de produção;
  • Economia planificada;
  • Fim da diferenciação entre trabalho intelectual e trabalho material;
  • Tomada do poder por parte do proletariado.

Entretanto, cabe apontar que estas são características do socialismo científico, também existe a vertente utópica. Logo explicamos as diferenças entre estas correntes.

De modo geral, o socialismo propõe uma sociedade sem classes, na qual bens e propriedades passam a ser de todos. Assim, a sociedade deixaria de ser dividida entre ricos e pobres, pois haveria a eliminação das desigualdades sociais e econômicas entre os indivíduos.

História e características do Socialismo

O contexto de surgimento do Socialismo é o da Revolução Industrial, entre os séculos XVIII e XIX. Seu conceito surgiu como uma reação ao sistema vigente, ou seja, o capitalismo. Era uma nova forma de interpretar a realidade social, se opondo aos efeitos da industrialização e à propriedade privada.

A Revolução Industrial transformou a economia dos países europeus e também causou grandes transformações sociais. Agora a sociedade se encontrava dividida em dois grupos: a burguesia detentora dos meios de produção, e o proletariado que possuía apenas sua força de trabalho.

Em uma ponta, a burguesia – proprietária de terras, indústrias e máquinas – era favorecida, enriquecendo com a exploração da mão-de-obra proletária.

Na outra, os proletários eram explorados em péssimas condições de trabalho, jornadas de 12 a 18 horas e salários extremamente baixos. Os direitos trabalhistas inexistiam, e crianças eram submetidas às mesmas jornadas brutais de trabalho para favorecer o lucro.

Além disso, a crescente urbanização gerada pela Revolução se mostrava fora de controle. Os trabalhadores eram amontoados nos bairros populares, onde não havia saneamento e as doenças se proliferavam.

Foi neste contexto caótico de desenvolvimento do capitalismo que alguns intelectuais começaram a pensar alternativas para melhorar o cenário social.

Assim surgiu a teoria socialista, uma proposta para organizar a sociedade de modo que não houvesse desigualdades. Era a proposta de criação de uma sociedade baseada na posse comum das indústrias e terras por todos os membros.

Com o passar dos anos, diversos teóricos socialistas defenderam diferentes correntes de pensamento para alcançar essa sociedade. Vamos ver quais são os principais pensadores e vertentes no próximo tópico.

Principais autores e vertentes socialistas

Os primeiros autores da ideologia socialista fazem parte da corrente conhecida como Socialismo Utópico. Essa vertente foi desenvolvida no século XIX e fundamenta-se na mudança da consciência dos indivíduos das classes dominantes.

Seus principais expoentes foram Saint-Simon (1760-1825), Charles Fourier (1772-1837) e Robert Owen (1771-1858).

Saint Simon

Saint-Simon foi o primeiro teórico a utilizar o termo socialismo. Ele era contra a exploração econômica de grupos de indivíduos sobre outros, e a favor de uma forte interferência do Estado sobre a economia. Entretanto, não defendia o fim da propriedade privada como outros pensadores socialistas.

Karl Marx e Friederich Engels

O modelo ficou conhecido como utópico pelos críticos das propostas destes autores, como Karl Marx (1818-1883) e Friedrich Engels (1820-1895). Eles acreditavam que a proposta carecia de uma interpretação mais aprofundada da sociedade em que viviam. Assim, os pensadores utópicos foram tidos como meros reformadores da sociedade capitalista.

Marx acreditava que o socialismo utópico manifestava os ideais de uma sociedade mais igualitária, mas não explorava o método para chegar até ela. Sendo assim, o autor se uniu Engels para publicar o “Manifesto Comunista” em 1848.

Dessa forma, Marx e Engels elaboraram o chamado Socialismo Científico. Sua proposta era compreender cientificamente o sistema capitalista para poder superá-lo, método que ficou conhecido como Materialismo Histórico Dialético.

Conforme os autores, as relações de produção dão origem à luta de classes, pois sempre colocariam as classes burguesa e trabalhadora em conflito. Para Marx, a superação das relações capitalistas de produção caberia aos proletários, levando a uma sociedade comunista sem a existência de classes sociais.

Dessa forma, um governo socialista seria uma espécie de etapa de transição para se chegar à sociedade comunista.

Lenin e Mao Tse-Tung

Durante o século XX, o Socialismo Científico agregou novas contribuições teóricas com nomes como Lenin e Mao Tse-Tung. Esses exemplos, aliás, acabaram inspirando experiências socialistas na Rússia e na China.

Socialismo pelo mundo

Socialismo pelo mundo

As experiências socialistas do século XX foram caracterizadas por governos que buscavam alcançar uma centralização econômica concentrada no Estado. O primeiro país a implantar um regime político Socialista foi a Rússia, após a Revolução Russa de 1917.

A revolução russa acabou inspirando outros movimentos ao redor do mundo, estimulando o crescimento de partidos socialistas e novas revoluções. Um dos principais exemplos é a Revolução Cubana da década de 1950, liderada por Fidel Castro.

Atualmente, a China é a maior nação autoproclamada socialista. O sistema foi adotado no país durante o período em que ele foi liderado por Mao Tsé-Tung (1949 a 1976). Entretanto, há controvérsias sobre a adequação do atual modelo econômico chinês ao socialismo. Isso porque no cenário atual o país é fortemente integrado ao capitalismo e à globalização.

Os países que atualmente mantém características de Estados socialistas são:

  • Cuba;
  • China;
  • Coreia do Norte;
  • Laos;
  • Vietnã.

Por fim, cabe apontar que o socialismo é tido como um projeto político internacionalista. Isso quer dizer que seu objetivo é superar as fronteiras nacionais para a integração de todos os trabalhadores do mundo.

Tem alguma dúvida sobre como funciona o socialismo? Deixe nos comentários!

Felipe Matozo
Felipe Matozo é estudante de Jornalismo no Centro Universitário Internacional Uninter e ator profissional licenciado pelo SATED/PR. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.

Comente